segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Namoro e Prova de amor(By Portal da Família)


Como você define o namoro?

O namoro e a amizade têm muito em comum. Ambos os relacionamentos pressupõe a entrega do próprio tempo e atenção para outra pessoa com o fim de ajudá-la a ser uma pessoa melhor. Entre as diferenças entre o namoro e a amizade teríamos que a amizade se restringe ao plano espiritual, enquanto o namoro evolui na dimensão física do carinho. A amizade pode durar por toda a vida, com mais força ou menos. O namoro pressupõe compromisso e exclusividade, através do quais ambos estão se conhecendo para eleger, para solidificar o relacionamento em uma única vida vivida a dois.

Hoje em dia os casais fazem sexo antes do casamento. Não têm aquele respeito em esperar o matrimônio e pensam que isto é da antiguidade. Quais são as conseqüências quando o casal pratica o sexo antes do casamento?

As pessoas deixam de se conhecer verdadeiramente quando praticam sexo antes do casamento. A prática sexual mexe com os hormônios, e o relacionamento perde o foco. È como a pessoa que fica brincando de ter sede e de beber água. A vida a dois não é isto. Antes de se ver com sede, a vida a dois experimenta o mundo de desafios, renúncias e complexidades que demanda uma estrutura sólida do casal. E estes desafios acontecem no plano espiritual do casal, nas sutilezas do relacionamento, na generosidade e desprendimento do outro. O namoro verdadeiro tem a delicadeza de um beija flor, enquanto a prática sexual é como uma pata de elefante que levanta uma poeira enorme no entorno. Daí, só depois que casam a poeira baixa, e o casal descobre com quem de fato casou.

Porque é importante tanto a moça quanto o rapaz se guardarem para o casamento? Há uma diferença de um casal casado que se guardou até o casamento para um casal que não se guardou?

Um casal que faz o compromisso de se guardarem para o casamento, terão oportunidade de se conhecerem de fato, pois estarão vendo o outro como eles são verdadeiramente, minimizando ao máximo a influência dos hormônios em sua capacidade de percepção. Adicionalmente estarão dando uma prova mútua de perseverança e força de vontade, virtudes que são necessárias para quem quer assumir um compromisso por toda a vida.
O casal que não se guardou para o casamento corre um risco maior. Durante o namoro não exercitaram a força de vontade. Constroem a casa sobre areia, sobre uma base que não sólida. Poderão se surpreender com a superficialidade do outro e da própria vida a dois.

Há casos que a namorada/namorado querem se guardar para o casamento, mas por pressão do outro/outra não conseguem. Como você avalia esta situação? Quem pressiona demonstra gostar do namorado/namorada?

Uma pessoa que se guarda para o casamento tem uma beleza interior única e incrível. O outro se sente atraído por toda aquela pureza e intencionalidade. Se depois da conquista, quando o namoro está em curso o outro tenta seduzir, termina por pular a cerca, pisa no jardim que está do outro lado, e apaga toda a força interior que tanto o atraiu. Está traindo ao outro e a si próprio, tornando o outro uma pessoa igual a todas as demais. Esta não é uma característica nem do namoro, nem da amizade. Pois quem ama quer que o outro cresça e brilhe ainda mais. Quem seduz não ama.

Há pessoas que se entregam para demonstra que gosta do namorado, principalmente as moças. Se entregar antes do casamento é prova de amor? Você acha que ajuda a segurar o relacionamento?

Entregar o próprio corpo para conquistar é uma barganha. Reduz a si próprio a uma moeda de troca. Alguns infelizes fazem isto para se sustentar. Esta prática não alimenta o espírito, não faz as pessoas belas, nem felizes. Não demonstra amor, mas fraqueza e falta de valor.
O que torna um namoro sólido é incremento da intencionalidade mútua, do querer construir uma vida a dois, que dure toda a vida. Se você quer, mas o outro não quer tanto assim, é melhor terminar o namoro. Você seguramente achará outro que dê mais valor. O “truque” de querer prender o outro pelo corpo, é um tiro na culatra.

Em sua opinião, o que você considera ser prova de amor?

Prova de amor é respeitar, solidificar as crenças e sonhos do outro. Durante o namoro e noivado, prova de amor é saber esperar a noite de núpcias.

Chegamos a uma situação tão crí­tica que se a moça ou rapaz demonstrar que são virgem, as pessoas zombam. Qual análise você faz dessa inversão de valores, na qual, o que aparentemente é certo se torna errado?

O que fazemos com aqueles que zoam para cima da gente? Ignoramos. Se forem os amigos que zoam, ria com eles e tenta lhes explicar os seus motivos. Se os amigos insistem na zoação, pergunte-se se eles são amigos de fato, pois aparentemente querem te corromper.
Se não são os amigos que zoam, mas a turma da esquina, ria com eles, na boa. Pense como se eles estivessem zoando do seu nariz, suponhamos que seja grande. Como o nariz é grande mesmo, você não ri com eles do próprio nariz? Passa então pela esquina, sacode o pó das sandálias e bola para frente. Você não tem que prestar contas a eles.

Para aqueles que estão solteiros e pretendem namorar para se casarem, quais dicas você dá para que o namoro seja bem sucedido?

No primeiro encontro, proponha namoro de mão. Se o outro não entender, nem comece a namorar, não vale a pena.

E para os que já estão namorando, quais dicas você dá para manterem um relacionamento saudável?

Passem todo namoro se perguntando se o outro seria um bom pai (ou mãe) de seus filhos. Se não for, desmancha o namoro, pois não é a pessoa certa. Conversem muito sobre o futuro. Ah! O outro não quer conversar sobre o futuro, ou o vê muito longínquo? Desmancha o namoro, “está de rolo”.

Vejam se seus planos mútuos fazem sentido um para o outro. Combinem quantos filhos terão, em que cidade viverão, longe ou perto da família, etc... Imaginem-se juntos com 20, 40 e 60 anos de idade. Estas conversas se chamam “conversas de fundamento”, que todos devem sempre ter, estejam com 1 mês de namoro ou tenham feito bodas de ouro. Este é um dos segredos do matrimônio bem sucedido.

Quando você ficar noivo, veja como o outro encara a situação. Se está distante demais, ou ao contrário muito preocupado demais com a cerimônia. Será que o outro sabe o que vai de fato fazer? Se não sabe, é melhor terminar o noivado.

Seja rápido em seus julgamentos e tenha coragem de desmanchar o namoro com aquela pessoa que você percebe que não é de fato a sua cara metade. O mundo tem bilhões de homens e mulheres. Por aí está aquele com quem você compartilhará a sua vida, que saberá lhe valorizar pelo tesouro que você traz em seu coração. Você, mais cedo ou mais tarde, vai encontrá-la.



André Pessoa é pai de seis filhos, Mestrado em Orientação Familiar por Navarra, ministra cursos e palestras de Educação de Filhos desde 1995; Graduado pelo IME (Engenharia), Pós-Graduado pela PUC (Administração), FGV (Contabilidade Gerencial), ISE (Programa de Treinamento de Executivos) e Navarra (Orientação Familiar); Consultor da Accenture.

Nenhum comentário: