terça-feira, 29 de setembro de 2009

Histórias que merecem ser contadas(Kelly,30 anos,São Paulo)


Emagreci 75 quilos sem redução de estômago!

Ela precisou chegar aos 140 quilos para decidir mudar de vida e recuperar as medidas que tinha antes de casar. Sozinha, colocou em prática tudo o que sempre soube: reduziu as porções no prato, substituiu fritura por verdura e deixou o doce para momentos de festa. Em um ano e meio, alcançou o corpo dos sonhos. Inspire-se nessa história e vá à luta você também!

Antes: acomodada “Tinha 140 quilos, usava manequim 58 e – acredite – não me achava gorda! Na verdade, me enganava e, sem perceber, mentia para mim mesma. Olhava para o ponteiro da balança e pensava: tenho ossos largos e fortes, sou uma mulher alta e grande, é por isso que estou tão pesada. Estava obesa e não me dava conta. Fiquei quatro anos assim.”

Casamento + gravidez = 40 quilos
“Quando casei, pesava 70 quilos. Em três meses, engordei 10. O casamento mexeu demais com a minha estabilidade emocional. De repente, saí da tranquilidade da casa dos meus pais e me vi sozinha com várias responsabilidades, precisando cuidar de um lar e um marido. Fiquei angustiada, comecei a comer demais. Antes de completar um ano de casada, engravidei. Aí exagerei nas refeições e dormi além da conta. Resultado: ganhei 30 quilos!”

Quatro pastéis antes do almoço
“Nem preciso dizer que não emagreci quase nada depois da gestação. Pelo contrário, continuei engordando. Às terças, havia feira livre na porta da minha casa. Comia quatro pastéis antes de almoçar. Era um ritual sagrado. E quem disse que isso tirava o meu apetite na hora da refeição...”

Sobremesas de todos os tipos
“Do mesmo jeito que abusava de salgado, extrapolava no doce. Quando sentia vontade de comer chocolate, não pegava um bombonzinho, atacava a caixa inteira. Em casa, sempre tinha bolo, pudim, sorvete, musse... Adorava ter opções de guloseimas na geladeira. Além disso, era cliente assídua da padaria. Toda tarde passava e comprava diversos pãezinhos doces. Devorava todos, não sobrava um sequer para contar a história.”

Milagre não existe!
“Rejeitava a ideia de fazer dieta ou qualquer outro esforço para perder peso. Vira e mexe aparecia uma amiga indicando um desses médicos que receitam fórmulas especiais. Fiz algumas tentativas, com remédios diferentes. No primeiro mês, até que perdia uns quilinhos, mas em pouco tempo recuperava tudo e engordava mais um pouco. Não deu certo.”

O dia em que me vi obesa
“Meu filho tinha 3 anos e engravidei novamente. Foi aí que alcancei meu peso máximo. Bati nos 140 quilos. Quando o bebê havia acabado de completar 1 mês, olhei no espelho e vi o que relutava em enxergar: uma mulher muito, muito acima do peso. Busquei alguma referência daquela Kelly bonita de antes do casamento e não encontrei. Entrei em desespero. Fiquei triste e magoada por ter passado tantos anos sem perceber isso. Por que será que nenhuma amiga me pegou pelo braço e mostrou para mim que eu estava horrorosa e gigante? Por outro lado, se alguém tivesse falado, será que eu teria escutado?”

Depois: uma nova mulher Plano de ação
“Então, decidi emagrecer. No fundo, sabia o que deveria fazer. Eu comia mal e em excesso. Reduzir as porções, cortar as frituras e as sobremesas do cardápio seria um bom começo. Fiz isso. No dia seguinte, fui à feira e não parei na barraca de pastel, me dirigi direto à banca de frutas. Também comprei algumas verduras e legumes. Alterei o meu cardápio baseada em tudo o que já tinha lido na BOA FORMA.”

Mudança radical
“Desde o dia em que me enxerguei gorda, nunca mais entrei na padaria para comprar pão doce, tirei o chocolate de casa e passei a comer menos. Como sentia muita fome, me alimentava a cada duas horas. Assim, mastigava o dia inteiro, mas dando preferência a alimentos saudáveis. Isso ajudou a controlar a ansiedade e o apetite. Ao final do primeiro mês, emagreci 16 quilos. O resultado do meu esforço me deixou bastante animada.”

Virei minha melhor amiga
“Nos meses seguintes, continuei firme e forte no meu propósito. Queria chegar aos 70 quilos e não podia desistir. Resolvi me matricular na academia e apostei em aulas de natação e hidroginástica para acelerar o emagrecimento. Fui me sentindo mais empolgada com a minha capacidade de controlar a vida e o corpo. Apesar disso, encarava um teste a cada fim de semana. Afinal, as confraternizações sempre acontecem ao redor de uma mesa e tudo parece ir contra o propósito de perder peso. Para não abusar aos sábados e domingos, firmei um pacto comigo mesma: estar mais magra na segunda-feira. Pode parecer bobagem, mas isso me deu muita força para resistir às tentações. Nessa época, também tive a ideia de montar um blog. Assim, passei a ter compromisso com outras pessoas.”

Retoques finais
“Ao alcançar 90 quilos, investi na malhação. Comecei a caminhar na esteira, fazer musculação e sessões de spinning. Perdi mais 10 quilos, estava quase na reta final. Então, fiz uma plástica no abdômen. Tinha eliminado bastante peso, havia excesso de pele. Depois de um tempo, também coloquei próteses de silicone. De certa maneira, precisava coroar o meu esforço e os seios novos levantaram ainda mais a autoestima. Hoje, sinto muito orgulho da minha conquista. No total, eliminei 75 quilos. Sei o quanto foi difícil, mas consegui. E se eu consegui, você também pode chegar lá!”

(Nota de titia Laurete:Estão vendo só meninas?Tudo é possível se tivermos força de vontade!Se até os gêmeos da pesada,Márcio e Marcelo,estão conseguindo com a ajuda do Gugu,por quê nós não poderíamos?)

2 comentários:

Tolerância Zero disse...

este é um ótimo exemplo para as pessoas..se tods tivessemos essa foça de vontade tudo seria mais facil.. isso prova que podemos mudar nossas vidas sim..e só depende de nós..

Laura Lola disse...

Falou tudo Grande Kainoa...