terça-feira, 13 de outubro de 2009

"Bailarina"


"Bailarina"

Dança a valsa com leveza
Mostra toda a sua beleza
Não é salsa nem merengue
é o doce ballet
que a embala em meio ao perrengue

E na ponta do pé,de fininho
Ela vai levando a vida
ou a vida a vai levando?
Isso nem dá pra saber
Pois ora está dançando,ora chorando

E debaixo do cetim
da seda,da fina vestimenta
Uma alma de marfim,atravessando
a alameda da tormenta

Mas com uma classe sem igual
Cada passe divinal
que a bailarina faz com perfeição
Desfaz toda solidão
Com um simples rodopio

E se dentro
desse saltitante coração
Existem amarguras
Ela sofre calada
As penas duras
Fim de papo,e nenhum pio.

E ao fechar a cortina
e se erguerem os aplausos
Todos assistem pasmos
a artista agradecer
Ela finge estar tão bem
que ninguém percebe
E ao fechar a cortina
as lágrimas a perseguem
é sua triste sina
Que um dia mudará
Ela não deixa de acreditar
Mas enquanto isso não acontece
Ela se põe a dançar
E a vida então se tece
Do jeito que Deus mandar.

(Compus não somente pensando em minha trajetória,mas na de tantas amigas que vivem coisas semelhantes...)

2 comentários:

sandra Freitas disse...

Mas a bailarina tem a si mesma, linda, forte, equilibrada.E enquanto ela tiver seu amor por ela mesma, continuará a dançar lindamente até que a dor passe e ela encontre uma nova razão pra rodopiar...Parabéns pelo poema bailarina linda!

Laura Lola disse...

Obrigada Sandra,teus poemas também são Lindos...é a bailarina tá aprendendo com a vida...Bjos