domingo, 25 de outubro de 2009

"Borboleta"


"Borboleta"

Do meu destino não sou dona
A minha sorte não traço
Meu mundo ainda está uma zona
Mas em um instante
essa bagunça desfaço

Meu coração está fechado
pra manutenção
Minha vida afetiva
em recesso,não estou em liquidação

Talvez quem sabe um dia
eu possa encontrar
Um cara genial que
por mim possa de verdade
se apaixonar
E ser feliz,claro que sem ilusões
Nada de príncipe encantado
Existem imperfeições
Mas que eu ache um cara apaixonado
Louco por mim,perdidamente entusiasmado
Em troca ele seria o meu bem querer
E nada que ele pedisse eu saberia negar
Entraria nessa pra valer!

Mas se esse dia não chegar
Não morrerei não
Minha felicidade está em meu Deus
dependo de namoro mais não
Eu ainda estou desanimada
Perdida,farta
Porém sinto que serei uma borboleta
embora ainda seja lagarta
O casulo vai se abrir
Uma Laura irá surgir
Vocês vão ver
Não duvidem mais de mim...

2 comentários:

fragmentos disse...

Gostei demais da conta desse teu espaço guria.Uma flor selvagem que emite intensos azuis numa noite feérica,feita por paixões elétricas se reconhecendo nas canções pobres dos trabalhadores que ressonam até o dia seguinte.Bjosss...

Laura Lola disse...

Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiii esse poeta arrasa mesmo!