quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

O drama interno que precisa ser resolvido(e será!)


"Logo descobrimos,que a liberdade assusta.Ela nos apresenta possibilidades para as quais não estamos preparadas:promoções,responsabilidades e afins.(...)Novas exigências vieram para que cresçamos e paremos de esconder-nos sob o manto paternalista daquele que escolhemos para representar o ente "mais forte";O fato é que não fomos jamais treinadas para a liberdade e sim para o oposto dela:a dependência.
O problema remonta á infância.Aquela época em que estávamos em segurança,em que podíamos contar com mamãe e papai para o que quer que necessitássemos.Aprendi que existe uma ligação entre a domesticidade e aqueles devaneios sobre a infância que parecem repousar logo abaixo de nosso consciente.O fator subjacente é a dependência:a necessidade de apoiar-nos em alguém ou,mais regressivamente,de sermos alimentadas,cuidadas e preservadas de males.Essas necessidades perduram através de nossas vidas,clamando por satisfação,sem serem anuladas pela necessidade igualmente presente de auto suficiência.Até certo ponto a necessidade de dependência é normal tanto em homens quanto em mulheres.Ocorre que como veremos,desde pequenas as mulheres são incentivadas a uma dependência doentia.Qualquer mulher que se auto analise sabe quão destreinada foi para sentir-se confiante perante a idéia de cuidar de si própria,afirmar-se como pessoa e defender-se.Na melhor das hipóteses,pode ter representado o papel de independente,intimamente invejando os meninos(e posteriormente os homens)por parecerem tão naturalmente auto-suficientes.
A auto suficiência não é um bem agraciado aos homens pela natureza,ela é um produto de aprendizagens e treino,Os homens são educados para a independência desde o dia de seu nascimento.De modo igualmente sistemático,as mulheres são ensinadas a crer que,algum dia,de algum modo,serão salvas.Esse é o conto de fadas,a mensagem de vida que ingerimos juntamete com o leite materno.Podemos aventurar-nos a viver por nossa conta por algum tempo,Brincar de sermos mulheres pós-modernas...subjacente a isso tudo,porém,está o conto de fadas,dizendo:aguente firme,e um dia alguém virá salvá-la da ansiedade causada pela vida.(O único salvador de que o menino ouve falar é ele próprio.)
Devo dizer que meu conhecimento sobre a dependência feminina originou-se numa experiência pessoal-e isso é recente!Por muito tempo enganei a mim e aos outros com um tipo sofisticado de pseudo-independência-uma máscara construída durante anos a fim de ocultar meu assustador desejo de ser cuidada.O disfarce era tão convincente que eu bem podia ter continuado a crer nele indefinidamente,não fosse por um fato que produziu uma rachadura na frágil estrutura de minha auto-suficiência.Aconteceu quando eu tinha TRINTA E CINCO ANOS.Uma série de eventos levou-me á conscientização de sentimentos de incompetência tão ameaçadores que eu faria qualquer coisa para que,manipulando,conseguir que alguém tocasse o barco quando as coisas pioraram.
Isto é,quando as exigências da vida começaram a assumir uma corporeidade real,consequencial e madura,diversa das incursões de uma menina precoce por um mundo de jogos ilusórios.Descasada havia anos,e com três crianças pequenas a sustentar sozinha,eu estava para adentrar um perído de crescimento notável.Estranhamente,a dor do processo foi redobrada pelo fato de eu estar apaixonada."

(Colette Dowling,"Complexo de Cinderella"Editora Melhoramentos,págs 12-14)


Esse é sem dúvida o meu livro de cabeceira,depois de "Conhecer Jesus é tudo" minha gente...Quero só postar mais umas considerações básicas:

01-Não estou menosprezando a posição de dona de casa.Isso não é vergonha alguma.Tem muita dona de casa que é mil vezes mais independente emocional e financeiramente do que algumas executivas que eu conheço.O que eu repudio(sobretudo quando ocorre acomodação e falta do desejo de mudar)é a dependência doentia,aquela dos contos de fadas...

02-NÃO SOU UMA FEMINISTA ESCROTA POR POSTAR ESSE TEXTO.Antes que os xiitas venham execrar-me,quero deixar claro que eu amo os homens.Não tive um bom relacionamento com meu pai,mas amo meu irmão,meus amigos,meus colegas...não quero declarar guerra alguma e sim apenas evoluir como mulher,como ser humano.

03-Reparem Lindonas,que eu deixei em negrito a idade da autora do livro...reparem nisso com cuidado e atenção:35 anos!Você quer esperar virar balzaca para entender as realidades da vida?Não né...pois então vamos juntas rumo a independência emocional e financeira sadia,aquela que não agride o sexo oposto e só faz bem...

Agora descobri essencialmente porque não tive êxito em nenhum relacionamento na minha vida até hoje...

Nenhum comentário: