sexta-feira, 4 de junho de 2010

"Fóssil"



"Fóssil"

Não posso esconder
a ferida que sangra
insiste em não cicatrizar
Essa imensa mancha
Que não quer sair
E a tormenta
a me traumatizar


Não posso negar
esse amor que aqui reinou
Viveu,cresceu,floresceu
e então expirou
Mal pôde vir ao mundo
e brusca a perda,num segundo
Tudo se fez dor...
Não posso evitar
que agora seja o que eu sou


Não quero tentar
E ver que depois tudo será
assim do mesmo jeito que já aconteceu
O problema sou eu
O problema é você
O Problema são os dois
E já perdi tudo que tinha que perder


A sorte é que sobrou o Juízo
a precaução,e eu aviso
Você nunca mais irá ver meu sorriso
Brilhar como naquele dia
em que eu disse que te amava
e você "Quem sabe algum dia.."
Sei que amor não se cobra
Mas o que você me fez é covardia
Talvez a vida um dia me dê em sobra
O que você arrancou em revelia.

Compus há uns 8 anos atrás,na minha primeira desilusão.Mal sabia eu que haveriam decepções piores....

3 comentários:

Barthes disse...

Aprendemos em nossas vidas que o amor,apesar de criar,é o único que verdadeiramente cicatriza qualquer ferida.Bjosss...Laura.

Heraldo disse...

Acho que fico mais triste do que vc ao ler... bjssssssss

Laura Lola disse...

ah Poeta...Heraldão...infelizmente essa é a verdade que restou de todas as mentiras que eu já ouvi...