quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

VERSOS,SOBRE OS NAVEGANTES UNI-VERSOS DE UMA MENINA-POETA


Amigo,obrigada pelos versos de conforto!Deus te abençoe sempre...

Como conhecer um verdadeiro amor,
Custando não importa o que for?

... vendo nascer o sol e vendo o sol se por?
Dando e recebendo prazer como tem sempre de ser?

Exorcizando todo mal sentimento?
Nascido nos sussurros das fábulas do vento?

O que a separa desse teu amado desconhecido?
Aquele para o qual tu reservas o teu mais delicioso gemido?

Aquele que estabelece a sua identidade?
Ti tomando inteira,nunca pela metade?

Por onde andará...
Esse homem que será a sua loucura?
Que ti desvendará na primeira leitura?

E que em ti provocará esse querer tão intenso?
Enlouquecendo todo e qualquer bom senso?
Tornando o teu mundo até à dor,infenso?

E o que ti faz desejá-lo,em todo o instante?
Antes de agora,antes de hoje,
Antes de antes???

Antes mesmo da eternidade?
Anterior à definição do que seja a Verdade?

Minha linda,não fique triste,
Me disseram que o AMOR existe.

Mas,qual homem te traduzirá enquanto "felicidade"???
Subjugando a práxis,a realidade?
...Ti dando momentos de alegria intensa,
Nos quais,tu serias a única recompensa,

Debaixo da lua,
Ou em uma suíte,
Devorando a manhã crua
Rompendo todos os limites
Na febre do apetite.

Assim,minha querida,
A vida para ser bem vivida,
Tem que celebrar a poesia do encontro,
Aquele em que o rumo fica tonto,
Tanto quanto a poesia da despedida,
Com suas torturantes vozes suicidas...

Como esse homem que ti aguardará nas cheias da lua,
Desabrochando a primavera a cada passo teu na rua,
Nos teus caminhos da rosa e da chuva,
Em sua névoa rubra e secreta.

Eu digo que já encontrastes a felicidade menina-poeta...
Tanto quanto o peregrino encontrou o seu caminho,
Tanto quanto ser a solidão aquilo que compraz o asceta,
Então,receba essa poesia-beijo,como um carinho,

Que seja ela um bálsamo para as suas feridas
Se houver desespero que ela ti mostre as portas de saída...

Que ela resgate em ti,,
Quando as pontes forem rompidas,
o mágico jogo dos teus quadris,

Que o teu SONHO,como o verão,
Nas noites de tempestade,
Realize,mesmo que com um trovão,
A sua fullgás eternidade.

Daniel Barthes

3 comentários:

Zé Henrique disse...

Ai, eu quero que façam um poema pra mim! Inveja branca agora!! prometo guardar o meu mais delicioso gemido, em saudação a quem o fizer...

Realmente, alguém capaz de demonstrar tão bem o que vive e o que sente, escrevendo, como vc, merece um beijo-poema como esse. Parabéns!

Laura Lola disse...

Ah...obrigada pela visita menino.Esquece isso aí,porque aos olhos da rapeize,eu sou só uma "mulherzinha"


A minha sorte foi que PARECE que eu achei alguém que vale a pena.Parece...

Barthes disse...

Laura.
Fico encantado por tu teres gostado.
Bjosss.