quinta-feira, 3 de abril de 2014

Pangeia mental

Não sei lidar com as palavras Elas são frias e cruéis Ou quem sabe demasiado intensas Que minha vista nem aguenta e a garganta seca. Sim,me engasgo com o que transborda em minha alma solitária O que digo,é só a borda Um ensaio apenas. Mas sou solidária e divido nas melodias O que só existe em meus sonhos... Sim,eu canto de amor Mas posso musicar a revolta De não me encaixar no seu perfil Isso era motivo Pra você me abandonar? Não merecia ser tratada assim Mas não vou chorar! Porque sei que a felicidade é a viagem do trem E nele você não mais está Vá pra puta que pariu,você e os seus Que daqui com essa separação Só posso agradecer a Deus!

Nenhum comentário: